Governança do HE apresenta Relatório de Gestão 2018

No dia 14, a governança do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE UFPel) apresentou as ações realizadas ao longo do ano de 2018 aos colaboradores, bem como as projeções para 2019. O encontro foi realizado no auditório do HE e contou com a presença de profissionais de diversas áreas do hospital.
“O encontro possibilitou um momento para expor o que foi construído ao longo deste ano e deixar o espaço aberto para pensar no que será feito no ano seguinte, com a possibilidade de avaliar criticamente o que foi feito e de que forma poderia ter sido diferente e/ou melhor”, destacou a superintendente do HE, Samanta Madruga. Segundo ela, os desafios apresentados ao longo desse período foram superados devido ao alinhamento entre as gerências de atenção à saúde, de ensino e pesquisa e administrativa.
De acordo com Samanta, os princípios da gestão estão alinhados aos da universidade, são eles: aproximação, transparência e pertencimento. “O fato de estarmos aqui juntos, avaliando o que foi feito, na perspectiva de construir algo melhor, é prova disso”, destacou.
A superintendente apresentou os desafios enfrentados em 2018 e como a gestão se movimentou frente a eles, na perspectiva de que todos se enxergassem em algum momento do processo. Entre eles, ela destacou o fechamento de salas cirúrgicas e a crise financeira da Santa Casa, que refletiu diretamente no HE, sobrecarregando a maternidade. Por outro lado, destacou algumas conquistas como a implantação do Núcleo de Regulação Interna (NIR), a reestruturação do Laboratório e as ações de humanização. “Em meio a tantos desafios conseguimos trabalhar o acolhimento e a humanização. Também atuamos no processo educativo, fizemos rodas de conversa, o que nos aproximou da equipe, da comunidade, dos residentes e dos estudantes, ainda temos muito o que avançar”, frisou.
Em seguida, a Gerente de Ensino e Pesquisa, Beatriz Vogt, apresentou as principais ações de 2018 e destacou, entre elas, maior integração com UFPel e apoio à Comissão de Residência Multiprofissional (Coremu) na reestruturação do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Criança para nova oferta de vagas.
Na apresentação, a gerente salientou que o acordo com a Biblioteca Central da UFPel permitiu a todos os colaboradores EBSERH o acesso ao acervo físico e digital. Em 2018 também foi disponibilizado o acesso ao AGHU aos docentes da UFPel que realizam atividades acadêmicas orientando estágios e/ou atividades práticas de disciplinas curriculares, assim como o Idioma sem Fronteiras, parceria com o Centro de Letras e Comunicação da UFPel, que disponibiliza cursos de línguas para os colaboradores da Ebserh.
Segundo Beatriz, neste ano foram adquiridos 36 computadores e um colonoscópio, além de oferecidos cursos para os residentes dos programas de cirurgia, clínica e pediatria e também para os colaboradores do HE. “Além dessas ações administrativas, também realizamos ações voltadas para a assistência, junto à Gerência de Atenção à Saúde, como a regularização das atividades práticas do Programa de Residência em Cirurgia Bucomaxilofacial e a criação das capacitações em Ensino à Distância (EAD)”, destacou Beatriz.
Para o ano seguinte, as ações da GEP devem ser voltadas à telemedicina e à pesquisa, com a meta de criação do Centro de Pesquisa Clínica. “Iremos explorar a teleconsultoria, proporcionando a descentralização das ações e otimizando a resolutividade de pacientes da rede de saúde da UFPel, reduzindo tempo e custos individuais e de operacionalidade”, comentou.
O Gerente Administrativo do HE, Mateus Madail Santin, destacou a necessidade dos funcionários vinculados à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) assumirem funções estratégicas como: elaboração de Termos de Referência (TR), fiscalização de contratos e análise do recebimento de material. “No modelo de governo proposto, dentro de alguns anos os funcionários vinculados às universidades não irão mais compor a força de trabalho nos Hospitais Universitários e toda expertise poderá se perder”, enfatizou.
Também foram listadas as ações pactuadas com a Ebserh em 2014, as quais deveriam ter sido realizadas nos anos de 2015 e 2016. Mateus mostrou que muitas delas foram finalizadas em 2017 e outras em 2018. Para finaliza, ele destacou positivamente os avanços da Unidade de Almoxarifado, que possuía o maior número de inconformidades, apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) através do acórdão 1988/2013 e que desde novembro de 2018 com o forte apoio do Setor de Avaliação e Controladoria, colocaram no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi) a movimentação de insumos do almoxarifado e foram implantados diversos controles.